Notice: Trying to access array offset on value of type bool in /home/k13hosting/public_html/sites-clientes-k13/nosdoisporai.com/wp-content/plugins/version-control-for-jquery/settings.php on line 271

Notice: Trying to access array offset on value of type bool in /home/k13hosting/public_html/sites-clientes-k13/nosdoisporai.com/wp-content/plugins/version-control-for-jquery/settings.php on line 301
<h1>Gran Sabana</h1> A "grande selva" venezuelana!
DCIM102GOPROG1709387.JPG

Gran Sabana

A "grande selva" venezuelana!

Você já ouviu falar na ‘Grande Selva’ venezuelana?

A Gran Sabana é uma região na Venezuela, próximo à fronteira com o Brasil e Guiana. Localizada no Parque Nacional Canaima, a Gran Sabana possui um dos cenários mais antigos do mundo, abriga muitos tepuys, entre eles o imponente Monte Roraima, e mais de 800 cachoeiras, das quais conhecemos 5 e iremos mostrá-las logo abaixo! Além disso, a região abriga o Salto Angel, a maior cachu em queda livre do mundo! Foi lá, inclusive, que foram gravadas cenas do filme Jurassic Park! 

A agência Clube Native, a mesma que nos levou à expedição Monte Roraima, oferece passeios à Gran Sabana todos os finais de semana, saindo de Boa Vista-RR, incluindo o transporte ida e volta, veículos 4×4 e hospedagem na Venezuela!

20180504 113124 01 2 - Gran Sabana

IMG 20180507 WA0007 - Gran Sabana

Cachoeira Água Fria

De água cristalina e deliciosa para banho! O 4×4 estaciona bem perto do início da trilha (uma pequena descida de 5 minutos) e logo encontramos o lindo poço convidativo para um mergulho!

20180505 121028 01 e1527799261665 - Gran Sabana

G1609119 - Gran Sabana

Parque Ecológico Manakachi

Nosso segundo ponto de parada para banho na Gran Sabana. O local é uma espécie de balneário, perfeito para família com crianças, pois, além das cachoeiras de poços profundos, ideais para saltos, a maior parte da corredeira é rasa e plana. Há também ocas permanentes para quem deseja montar as barracas embaixo e acampar sem transtornos com as chuvas. Inclusive, esse é o programa preferido das famílias aventureiras venezuelanas. Havia muitos lá, aproveitando o fds.

20180505 155729 - Gran Sabana 20180505 162154 - Gran Sabana

snapseed 03 - Gran Sabana

Depois do Parque Ecológico Manakachi, fomos à Pousada, jantar e descansar para o próximo dia inteiro de cachoeiras.

20180505 185552 e1527799661201 - Gran Sabana
Restaurante da pousada na Venezuela
IMG 20180505 185940 086 e1527801883884 - Gran Sabana
Jantar na pousada – lasanha a bolonhesa com bacon
IMG 20180505 190513 374 e1527801709554 - Gran Sabana
Cada prato custou R$8,00
20180506 074330 - Gran Sabana
Café da manhã na pousada

Salto Saikaka

A terceira cachu que visitamos na Gran Sabana fica no lado da Guiana. O Salto Saikaka, com seus 64 metros de altura e forte queda d’água, encanta a todos pela sua imponência. Não há trilha para o topo, apenas para a base.

G1659251 - Gran Sabana
Salto Saikaka do topo (64 metros de altura)

 

20180506 094417 01 - Gran Sabana
Vsita do Salto Saikaka
G1679303 - Gran Sabana
Salto Saikaka vista da base

Cachoeira Anaway

Assim como o Salto Saikaka, esta cachu pertence à Guiana. São uma sucessão de quedas maravilhosas para banho, que parecem piscinas naturais. Lá, a Toyota também estaciona bem perto da corredeira, não há trilha.

G1699338 - Gran Sabana

G1739468 01 - Gran Sabana

G1709427 - Gran Sabana

20180506 104315 - Gran Sabana

Oasis

Um Oásis no meio da Gran Sabana! E poderia ser mais lindo? Olha a cor dessa “piscina”, gente! Uma das cachoeiras mais lindas que já visitamos! Só tinha que descer uma trilha íngreme, afinal, quanto mais lindo o lugar, mais difícil o acesso, já notaram? Porém, com cuidado e atenção, dá para descer de boa! A vontade era de ficar nadando ali para sempre (e era melhor ficar na água mesmo, porque do lado de fora os moquitos atacavam)! Quer visitar esse lugar? Entre em contato com a agência @clubenative

IMG 20180531 WA0044 e1527802048359 - Gran Sabana

G1819665 - Gran Sabana

G1799580 01 - Gran Sabana

Salto Kama Meru

A última cachu que tivemos o privilégio de conhecer na Gran Sabana venezuelana foi o Salto Kama Meru. Vocês sabem que uma foto não passa toda a beleza de um lugar, né? E essa paisagem é surreal! Tem várias ‘ocas’ para hospedagem na beira do Rio, lojinhas de artesanato e lanchonete!

20180506 115813 - Gran Sabana

IMG 20180522 122026 913 01 - Gran Sabana

(mais…)

Continuar lendo

Expedição Monte Roraima

Os encantos e mistérios do Paraíso das Cachoeiras

A Expedição Monte Roraima é o trekking dos sonhos de todo trilheiro e aventureiro e atrai as atenções de biólogos e geólogos do mundo inteiro. Sabe por quê?

20180429 153804 01 - Expedição Monte Roraima
Monte Roraima visto depois da travessia do Rio Kukenán

O Monte Roraima constitui um tepui (tepuy), tipo de monte em formato de mesa, típico do Planalto das Guianas. Localizado na tríplice fronteira entre Brasil a leste (5% de sua área), Guiana ao norte (10%) e Venezuela (85%), o imponente tepui é o oitavo ponto mais alto do Brasil, com 2.875 metros de altitude. A sua origem remonta ao período Proterozóico (antigo pré-cambriano), há cerca de 1,7 a 2 bilhões de anos, antes da existência de uma vida complexa no planeta! Lá em cima, encontram-se fauna e flora marcados por acentuados endemismos (grupos taxonômicos que se desenvolveram numa região restrita, causados por mecanismos de isolamento, alagamentos, movimentação de placas tectônicas – deriva continental – e, por isso, tiveram que se adaptar.

20180502 120651 01 - Expedição Monte Roraima
planta vista apenas no topo do Monte Roraima

No topo, o terreno acidentado, inóspito, de solo ácido e pobre devido à lixiviação promovido pelo curso das águas, que impede a fixação dos nutrientes, encontramos uma vegetação diferente de tudo o que já vimos em nossas aventuras, com diversas espécies de plantas carnívoras, bem como répteis e anfíbios que vêm sofrendo constante evolução. Por exemplo, o sapinho “brachy” que era venenoso, mas, por falta de predador, não é mais. Vimos também um quati solitário, que rondava o nosso acampamento esperando receber comida. Ainda há muito o que se descobrir no topo do Monte Roraima e a cada ano novas espécies são descobertas.

20180430 162817 - Expedição Monte Roraima

O planalto Monte Roraima é composto de arenito e conglomerados de dioritos, recoberto por camadas de argila e depósitos de quartzo. Tudo isso, propicia a formação de alguns dos atrativos que visitamos no topo: o “Vale dos Cristais”, elevadas concentrações desse mineral formam um “tapete” de vários centímetros de cristais brancos e rosados, e o arenito, erodido pelas condições climáticas, pode assumir o formato de monolitos, assemelhando-se a animais, objetos e outros – as pedras do “golfinho”, da “tartaruga”, do “macaco”, da “igreja”, do “labirinto” e do “coração”. O interior do planalto é repleto de cavernas, fendas, cânions e sumidouros, motivos que conferem o ar de mistério ao monte.

20180428 161014 - Expedição Monte Roraima

CLIMA:

O clima é tropical, com verão (estação seca) de dezembro a março e inverno (chuvoso) entre abril e outubro. Isto é a teoria; na prática, o clima é bastante instável e nunca se sabe quando pode chover. No topo, a temperatura cai bastante, faz frio, é úmido e é comum ter muita névoa, mais um motivo que dá um certo mistério ao local, pois só enxergamos o que está a nossa frente à medida em que vamos andando, e a sensação é de andar sobre as nuvens! Nos meses de chuva (época em que fizemos a expedição), surgem incontáveis e gigantes quedas d’água. Por isso, o Monte Roraima também é conhecido como o Paraíso das Cachoeiras.

20180503 083532 e1527132508881 - Expedição Monte Roraima
EL PASO DE LAS LAGRIMAS
20180502 172527 - Expedição Monte Roraima
ABISMO

HISTÓRIA: 

No ano de 1595, durante a colonização britânica e espanhola, foi descoberta a incrível Montanha de Cristal, o Monte Roraima. Porém só foi escalado pela primeira vez no ano de 1884, pelo aventureiro Everard Ferdinand Im Thurm. O monte já foi fonte de inspiração para escritores como Arthur Conan Doyle, que descreveu em seu livro, O Mundo Perdido (1912), as riquezas naturais e belezas da região, o qual inspirou o filme de animação UP, altas aventuras!

É por toda essa história, singularidade, beleza, imponência, lendas, mistérios e dificuldade de acesso que o Monte Roraima fascina muitas pessoas, inclusive nós! Vem com a gente para mais uma aventura?

20180428 163719 - Expedição Monte Roraima

QUANDO IR?

É quase que unânime a ideia de que a melhor época para o trekking ao Monte Roraima é entre dezembro e março. Na verdade, esse período é menos chuvoso na região, mas não significa que não choverá! O contrário também pode acontecer: há expedições no inverno em que não chove, e o grupo tem a sorte de pegar dias ensolarados e abertos. Com certeza, é menos sofrido ir na estação seca, porque os equipamentos, as barracas e as roupas não molham, além de ser menos frio. Porém você não verá as cachoeiras, pois elas secam.

Fizemos a expedição de 7 dias entre 28 de abril a 04 de maio

1º dia: sol;

2º dia: muita chuva de manhã que encheu o rio Tek e Kukenán. Como temos que atravessá-los, tivemos que esperar até meio dia para começarmos a caminhada. Depois abriu o tempo;

3º dia: a ascensão foi de muita chuva o dia inteiro. Chegamos no topo ensopados e com muito frio;

4º e 5º dias: garoa e névoa no topo o dia todo. Mesmo assim, fizemos os trekkings para visitação dos atrativos. No final do 5º dia abriu o tempo, tivemos minutos sem névoa e fomos presenteados com vistas surreais dos paredões do Monte Roraima, das dezenas de cachoeiras, do tepui vizinho, o Kukenán, e da segunda maior queda livre do mundo.

6º e 7º dias: Descida com muito sol e direito a um banho geladinho no rio Tek para relaxar os músculos.

20180428 132304 006 - Expedição Monte Roraima
Galera animada de turistas e índios venezuelanos (guias e carregadores) nos preparativos para o trekking!
20180428 173318 - Expedição Monte Roraima
Descanso e captação de água

DOCUMENTAÇÃO

Não é exigido passaporte. Leve identidade e carteira de vacinação contra a febre amarela. Não estava sendo cobrada a Carteira Internacional de Vacinação.

COMO CHEGAR E COM QUEM IR

De Boa Vista a Pacaraima, cidade brasileira que faz fronteira com a Venezuela, são 23O Km pela BR-174. Passando para o lado venezuelano, já na Autopista 10 (rota internacional que corta a Gran Sabana, liga o interior ao caribe e passa por várias comunidades e aldeias), chegamos em Santa Elena de Uairén, porta de entrada para o Monte Roraima. Mas para chegar ao monte, é obrigatório estar acompanhado de um guia local, contratado diretamente na Venezuela ou por meio de agências no Brasil.

  • Contratação de um guia na Venezuela: opção que pode parecer mais econômica. Mas você terá que pesquisar um guia de confiança, montar um grupo e ainda chegar à Santa Elena por conta própria. Realmente não aconselhamos essa prática, pois há muitos “índios” descomprometidos e que abandonam seus clientes turistas no meio da expedição e nós vimos isso acontecer!
  • Contratação de uma agência venezuelana: os preços são mais acessíveis por conta da desvalorização do Bolívar em relação ao real, porém você terá que chegar a Santa Elena por conta própria e os serviços podem não ser o esperado.
  • Contratação de uma agência brasileira: Mais recomendado por ser mais seguro e incluir transporte até o lado venezuelano. Fizemos com a Clube Native (@clubenative), de Boa Vista. Recomendamos e aconselhamos! Foi uma experiência maravilhosa, pois eles operam o trekking com uma equipe de nove índios venezuelanos super unida, responsável, experiente na trilha, cozinham muitooooo bem e entendem do clima, de primeiros socorros, costuram botas, carregam toneladas e, mesmo assim, estão sempre de bom humor e dispostos a ajudar. São verdadeiros super-heróis!

ALIMENTAÇÃO, BARRACAS E EQUIPAMENTOS

Ao contratar a Clube Native, está incluso no pacote o transporte até a Venezuela, alimentação nos 7  dias de trekking, barraca dupla, isolante térmico, saco de dormir, taxas administrativas e deslocamento de retorno à Boa Vista. Você só precisa levar seu mochilão com roupas e outros equipamentos individuais que contamos no checklist . Toda a alimentação é levada pelos guias locais, que preparam as refeições fresquinhas três vezes ao dia (café da manhã, almoço e jantar). Você só precisa levar petiscos e snacks, mas não caia na tentação de levar muita comida.

20180428 175621 - Expedição Monte Roraima

20180428 200829 - Expedição Monte Roraima

OBS1: Você pode pagar um carregador por R$250,00 (mochila até 15kg);

OBS2: Os equipamentos oferecidos pela Clube Native são de ótima qualidade. E todo o resto compramos na Casa do Pesacador.

MANEJO DE ÁGUA, LIXO E BARRACA DO COCÔ

O trajeto ao topo do Monte Roraima é estrategicamente pensado à beira de rios para a coleta de água e banho. Da mesma forma estão localizados os chamados “hotéis” lá em cima, onde os guias montam nossas barracas e ficamos “hospedados” durante a expedição. Então, não se preocupe em levar muita água. Leve uma garrafa de 2 litros, CLOR.IN para desinfetação, e vá planejando a sua próxima captação de água. Os índios vão avisando os pontos. Leve também uma sacolinha para colocar o lixo que você produz durante a trilha e na barraca, depois vá entregando aos guias. Para fazer xixi, você pode ir no mato. Para fazer o nº2 existe a “barraca do cocô”, com penico e sacolinha com cal. Os guias também vão recolhendo.

O TREKKING (DIA A DIA)

DIA 1

-Saída de Boa Vista às 5:00h rumo à fronteira (Santa Elena de Uairén). Às 7:30h tem parada para café da manhã em Pacaraima;

-Rumo ao Paraitepuy: embarque nas Toyotas tacionadas. É cerca de 1:30 de 4×4 até o Paraitepuy, onde almoçamos, recebemos nossos isolantes térmicos e sacos de dormir;

-Trekking até o 1º acampamento Tokwõno, às margens do rio Tek: São 14 km de caminhada, mais ou menos 5 horas de caminhada a céu aberto, em meio à Gran Sabana, passando por riachos para tomar água e encher as garrafas. Lá, os índios montam as barracas e preparam o jantar enquanto tomamos banho no rio.

-Recomenda-se fazer o trekking de calça (para evitar picadas de puri puri e camisas de manga longa com proteção UV. Usar protetor solar, repelente e chapéu.

Dia 2

-Rumo à base: São cerca de 11 km até o acampamento Base, chegando a uma altitude de 1.850 metros. Logo no início da caminhada, atravessamos o Rio Kukenán.

-Recomenda-se atravessar de meias, pois elas aderem às pedras do rio, ou de papetes (tipo crocs). Também é legal usar aquelas calças que viram bermudas e ter a capa de chuva sempre de fácil acesso.

Dia 3 (1ª noite no topo)

-Hora de subir a rampa: da base ao topo são 3 km de subida, 4 a 5 horas de caminhada. “La rampa” é uma fenda natural que forma uma trilha que dá o único acesso ao topo do Monte Roraima. A fauna e a flora são muito exuberantes, e podemos observar várias espécies endêmicas, que só existem lá. A floresta já é úmida, com muitas travessias de pontos de águas, inclusive o  Salto Passo das Lágrimas. Passamos também por 2 “miradores” (mirantes), de onde observamos a Gran Sabana. Chegando ao topo, ainda caminhamos para chegar nos abrigos naturais, cavernas conhecidas como “hotéis”, localizados a 2.800 metros de altitude.

-Recomenda-se vestir calças e mangas longas. Devemos ter as mãos livres para segurarmos em galhos e raízes. Tomar cuidado com as pedras soltas. Quem precisar, use tensores para joelhos e tornozelos, pois são muito sobrecarregados.

Dias 4 e 5 (Tour pelo topo)

-Café da manhã e saída com destino aos atrativos do monte. Os guias fazem os roteiros dependendo do clima e disposição do grupo. Pode-se caminhar o dia inteiro, retornando apenas no final da tarde, ou caminhadas matutinas, com retorno para o almoço no “hotel” e depois caminhada vespertina. Mais uma vez, a quantidade de atrativos visitados vai depender do ritmo do grupo e das condições climáticas.

-Para o tour em cima do Roraima, recomenda-se usar vestimentas de acordo com o clima, levar capa de chuva, casaco corta-vento, protetor solar (mesmo nublado e com névoa, o sol queima), protetor labial, bandanas, balaclavas, lanche para a trilha.

Dia 6 (Início do retorno)

-Descida e retorno ao acampamento Tokwõno: Logo após o café da manhã, inicia-se a descida, com parada para almoço e descanso no acampamento Base. Depois, seguimos em direção ao acampamento às margens do rio Kukenán, podendo nos deliciar com um refrescante banho de água gelada para relaxar os músculos. São 14 km de caminhada.

Dia 7

-Rumo à Santa Elena e retorno à Boa Vista: Logo após o café da manhã, fazemos o trekking até Paraitepuy. São cerca de 4 horas de caminhada. Chegando lá, vamos de Toyota 4×4 à comunidade  de São Francisco de Yuruani, onde comemos um delicioso almoço (não incluso no pacote), visitamos algumas lojas de artesanato e seguimos viagem para Boa Vista.

(mais…)

Continuar lendo
Fechar Menu